Reportagens > Agenda

Protagonismo

Encontro de mulheres com Dilma e Jô Moraes traz à tona machismo e misoginia durante processo de impeachment da ex-presidenta

Evento teve a participação das candidatas da coligação e foi marcado pela força feminina e resistência das mulheres ao fascismo

Por:
Bárbara Ferreira
Foto: Bárbara Ferreira

Publicado em 12/09/2018

Na última segunda-feira (10), a ex-presidenta e candidata ao Senado, Dilma Rousseff (PT), e a candidata do PCdoB a vice-governadora de Minas Gerais, Jô Moraes, se reuniram com milhares de mulheres para discutir os rumos das eleições deste ano e reafirmar as candidaturas femininas da coligação Do Lado do Povo (PT/PCdoB/PSB/DC/PR). Durante sua fala, Dilma fez uma retrospectiva do seu processo de impedimento, lembrando uma série de episódios que, para ela, foram machistas e misóginos.

No entendimento de ex-presidenta, a forma como foi tratada pela imprensa e pelos parlamentares que conduziram o processo teve relação direta com o fato de ser uma mulher. Nesse sentido, a petista se compara à ex-presidenta da Argentina, Cristina Kirchner, que também teve a sua imagem deturpada por diversas vezes enquanto governava o país vizinho. “Somos nós, as mulheres, a maior resistência contra o golpe. E somos nós as responsáveis pela retomada da democracia”, defendeu.

Bárbara Ferreira

Ainda em sua fala, a ex-presidenta relembrou que durante os governos petistas foram as mulheres as responsáveis por gerir benefícios como o Bolsa Família e o Minha Casa, Minha Vida, em uma tentativa de emancipação das brasileiras em situação de vulnerabilidade, violência doméstica e mães solteiras. “E essas políticas, precisamos lembrar, vem também do governo Lula, que teve uma mãe que criou ele e toda a sua família”, disse Dilma, ressaltando a importância das mulheres para o desenvolvimento do país.

O evento foi realizado pelo Elas por Elas, uma iniciativa do Partido dos Trabalhadores em prol das candidaturas femininas. Falaram no palco representantes de movimentos sociais, a ex-presidenta e as deputadas Marília Campos e Margarida Salomão, representando as candidatas à Assembleia Legislativa e à Câmara dos Deputados. O atual governador e candidato a reeleição Fernando Pimentel também esteve presente, sendo o único homem a compor a mesa.

Bárbara Ferreira

Protagonismo nas lutas e parceria com o PCdoB

Na plateia, as mulheres predominavam o auditório, que estava lotado. O encontro aconteceu no clube Oasis, no bairro Santa Tereza, em Belo Horizonte. Além de ressaltar a discussão feminista nas candidaturas, Dilma também reforçou a parceria entre o PT e o PCdoB, que se aliaram em chapa única tanto no governo do Estado como para o país. “Temos que lembrar da importância de estarmos juntos com o PCdoB nestas eleições. Eles foram, além do PT, o partido mais fiel ao presidente Lula”, apontou a candidata ao Senado.

Bárbara Ferreira

Dilma tem liderado as intenções de voto para o Senado em Minas Gerais e feito uma campanha ligada às mulheres. Além disso, durante as falas, algumas candidatas também lembraram de que foram as mulheres que protagonizaram as lutas contra o golpe, as reformas trabalhista e da Previdência, e também elas que estão à frente de um movimento nacional contra o fascismo e contra as candidaturas mais conservadoras.

[A Campanha Libertas é um coletivo independente e suprapartidário. Todos os nossos textos podem ser republicados gratuitamente, desde que não sejam editados e tenham a assinatura da repórter que escreveu e o link campanhalibertas.org. Quer ser um republicador e saber mais sobre as nossas pautas? Escreva para campanhalibertas@gmail.com]